Arquivo da Categoria "Distopia"

[RESENHA INTRÍNSECA] “Endgame: O Chamado” — James Frey e Nils Johnson-Shelton

Postado por Emanuel em 10/02/2015

Autores: James Frey e Nils Johnson-Shelton
Editora: Intrínseca
Páginas: 
504
Classificação:
 4,5/5 estrelas

UAU! Logo que li a sinopse desse livro e pesquisei um pouco mais sobre ele, pensei: preciso ler este livro! Endgame: O Chamado me chamou a atenção não só pelo fato de ter uma premissa totalmente inovadora, ele também vem acompanhado de características que o tornam uma saga para se apaixonar. Para incrementar minhas expectativas, o autor James Frey é o fundador e CEO da Full Fathom Five, a responsável pela série Os Legados de Lorien, que é outra grande série que estou louco para conhecer e sou super fã da adaptação.

A vida não é o mesmo que a morte. Você deveria ver. Isto é o Endgame.

Talvez você os conheça por outros nomes, mas o Povo do Céu há milhares de anos criaram a humanidade, as doze primeiras linhagens que deram origem às nossas antigas civilizações. Depois de instruí-los, as divindades foram embora, prometendo voltar e quando isso ocorresse eles dariam início ao Endgame. O Endgame não é somente um jogo, é o Jogo que determinará o futuro da humanidade.

Baseados nessa promessa, as linhagens preparam os Jogadores para serem extremamente letais e espertos, aquele que conseguir desvendar os enigmas e achar as três chaves será o vencedor. Mas os Jogadores logo descobrem que o Jogo é muito mais perigoso do que eles imaginavam.

Com medo por ela, com medo por si. Com medo porque não consegue parar de pensar que um desses dois Jogadores vai morrer.

[RESENHA ARQUEIRO] “A Escolhida” – Lois Lowry

Postado por Gabrielle em 22/12/2014

Autora: Lois  Lowry
Editora: Arqueiro
Páginas: 192
Classificação: 3.5/5  estrelas

Finalmente, após várias e várias edições de O Doador — hoje intitulado O Doador de Memórias em razão do filme –, a sequência do livro chegou ao Brasil e só posso torcer para que dessa vez vingue e os outros dois últimos livros da série sejam publicados.

Para quem não leu O Doador, A Escolhida não apresenta spoilers do livro anterior, entretanto a história e os personagens vão se encontrar para finalmente dar um desfecho a história, então é obrigatório ler o livro na sequência correta. Nesse segundo livro, conhecemos  Kira, uma garota com um problema na perna e com o dom de bordar e fazer magia com tecidos.

Queime, mundo flagelado
Fornalha feroz
Inferno impuro…

Porém, apesar de todas as suas qualidades, Kira é menosprezada em um mundo que não aceita defeitos e quando sua mãe falece seu único porto seguro vai junto com ela e um futuro incerto está a sua frente. Mas, para sua surpresa, o Conselho dos Guardiões precisa de suas habilidades e aparentemente ela finalmente encontrou seu lugar, até Kira descobrir que nem tudo que brilha é ouro e tudo tem um preço.

Não há muito mais a discorrer sobre esse livro sem correr o risco de revelar algo essência da história. A Escolhida é ainda mais compacto que seu livro anterior –apesar do número de páginas ser o mesmo-, não chega a ter duzentas páginas e elas revelam muito pouco, mais com o propósito de instigar o leitor a aguardar o livro seguinte do que se surpreender com a trama do livro, tudo chega a beirar ao óbvio, eu diria.

[RESENHA SEGUINTE] “Mundo Novo” – Chris Weitz

Postado por Emanuel em 10/10/2014

Autor: Chris Weitz
Editora: Seguinte
Páginas:
328
Classificação:
4/5 estrelas

Assim como muitos leitores, sou um grande fã de distopias e livros onde a trama envolve um cenário pós-apocalíptico. Entrando nessa onda, a Seguinte publicou no Brasil Mundo Novo. Inicialmente pensei que seria, provavelmente, só mais um entre os vários outros livros do gênero já publicados, mas a sinopse me deu a sensação de que haveria algum diferencial e o autor estava disposto a prover algo inovador. Eu não poderia estar mais certo.

Só é o fim do mundo se você não acreditar que existe um futuro.

No livro, a Doença dizimou toda a população adulta do planeta. Dois anos após a Doença, os jovens de Nova Iorque tem vivido em grupos — ou você também pode chamar de tribos, máfia –, mas sobreviver não tem sido fácil. O irmão de Jeff morreu, ou seja, ele terá que tomar seu posto: líder da tribo Washington Square. E em meio ao caos, um dos integrantes da tribo de Jeff acha uma possível pista que levará até a cura, mas para isso eles terão que partir em uma viagem arriscada a territórios perigosos. Quando Jeff resolve partir em busca dessa pista, Donna — que havia prometido proteger Jeff — resolve ir junto. Enquanto os três e mais alguns membros da Washington Square partem nessa viagem incerta, Jeff só que achar uma maneira de declarar seu amor por Donna antes que a Doença comece a  apresentar seus sintomas nele.

[RESENHA JANGADA] “Vortex” – Julie Cross

Postado por Gabriela em 09/09/2014

Autora: Julie Cross
Editora: Jangada
Páginas: 384
Classificação: 2/5 estrelas

Em Vortex, Jackson Meyer já tomou sua decisão: nunca ter conhecido Holly. Ele acha que ao mudar a história ele irá protege-la. Entretanto, Jackson faz algo que ninguém esperava dele ao se tornar um agente do Tempest, uma divisão da CIA. Ao chegar no treinamento, Jackson se vê um peixe fora d’agua, todos acreditam que ele está lá só pelo seu pai e não por mérito. E, olhando o seu histórico, é a mais pura verdade. Jackson não conseguiria entrar na CIA sem seu pai – que se mostra outra pessoa no segundo volume de Tempest. Agora ele se importa com o filho e faz de tudo por ele. Não é o pai frio e distante que conhecemos na primeira obra.

Além disso, vemos pela primeira vez ou conhecemos melhor vários personagens. Como por exemplo a agente Stewart, que se mostra alguém fria e distante mas que na verdade é cheia de sentimentos dentro de si. Gostei do modo como Julie Cross abordou a personagem, porém a grande trama de Vortex é desvendar tudo o que há sobre as viagens do tempo e infelizmente Julie não conseguiu fazer isso. Ela fez um enorme ponto de interrogação na minha mente. E o problema é que Jackson não é Deus. Ele não pode mudar a história. Algumas coisas simplesmente têm de acontecer. Como ele entenderá isso?

Tudo o que qualquer um pode fazer… É amar quem a gente quer amar enquanto essas pessoas estiverem com a gente.

[RESENHA ROCCO] “Scarlet” – Marissa Meyer

Postado por Gabrielle em 05/09/2014

Autora: Marissa Meyer
Editora: Rocco
Páginas:
480
Classificação:
5/5 estrelas

Já aconteceu a você de cair de amores por uma série de livros e ler tudo o que é possível sobre eles em pouco tempo? Algo como uma overdose  literária e você até treme pensando no próximo livro, em ler mais, em saber mais e até em tietar a autora em busca de spoilers? Pois bem, é exatamente isso que aconteceu comigo em relação as Crônicas Lunares, de Marissa Meyer. Dezenas de pessoas me indicaram e agora que finalmente surgiu a oportunidade de lê-lo eu cai de amores, viciei, provavelmente li os dois primeiros livros em 48hrs — apesar da semana de provas, apesar dos compromissos, apesar de ter uma vida e apesar, principalmente, de precisar dormir. Então só posso dizer que sou mais uma na fila de pessoas que indica essa saga com loucura.

Clique e leia a resenha do primeiro livro.

Nesse livro, além de continuarmos a descobrir um pouco mais sobre a história de Cinder, também conhecemos Scarlet, uma garota com uma família desestabilizada que afetivamente depende completamente de sua avó, a mulher que vem cuidando dela nos últimos anos e a ensinou tudo que sabe sobre a fazenda e o cultivo. Entretanto sua grand-mère desapareceu e a polícia não está muito interessada em encontrá-la. Agora está nas mãos de Scarlet e o estranho, ainda que lindo, Lobo trazer a boa velhinha para casa e é nessa busca que Scarlet percebe que não sabia nada sobre a mulher que a criou e sobre sua família.

A burrice não é tentar proteger você. A burrice é que quase acredito que vai fazer diferença.