Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Páginas: 527
Classificação: 4.5/5 estrelas

Stephen King é muito conhecido por seus livros de terror, entretanto, ele é um autor que transcende o gênero pelo qual ele é mais famoso. Em suma, ele é um excelente contador de histórias, independente de um gênero que o define. Se você nunca leu nada do autor, e não sabe por qual romance começar, pode começar lendo um livro de contos. Eu comecei assim, lendo a coletânea Tudo é eventual, e recomendo Bazar dos Sonhos Ruins como um primeiro contato com a escrita do autor.

São 20 contos, e não se preocupe, os contos não são de terror como a capa pode sugerir. São séries de contos que remetem a pesadelos, é realmente um bazar de diversas situações ruins e estranhas. E uma das melhores coisas desse livro nem são os contos em si, e sim a introdução do autor e as explicações que ele dá antes de cada conto, adoro essas conversas que ele tem com nós leitores. Pois bem, vamos entrar nesse bazar e ver o que ele tem a nos oferecer:

– Milha 81:

O conto que abre essa coletânea é um dos meus preferidos. É sobre uma van cheia de lama que é do outro mundo (literalmente) e que “come” pessoas. Passamos por vários personagens e vemos seus encontros com a tal van. Não é um conto assustador, mas que dá sim um medinho, ele me lembrou muito um episódio de Doctor Who e o próprio Stephen King faz referência ao programa no conto. E também tem referência a outro carro do mal do próprio King;

– Premium Harmony:

Um conto sobre um casal juntos há muito tempo e desgastados pelo dia a dia, eles discutem principalmente sobre dinheiro e no caso a falta dele. Ao mesmo tempo que lava uma roupa suja sobre os gastos desnecessários de cada um, mas principalmente o do marido em cigarros (o nome do conto faz referência a uma marca de cigarros). Tem um final triste e é muito bom;

– Batman e Robin tem uma discussão:

Este é mais um conto sobre o cotidiano como o anterior, desta vez é sobre a relação pai e filho. O pai está numa casa de repouso e tem alzheimer e o filho faz uma visita e o leva para comer. É um conto triste e trágico ao mesmo tempo. Quem são o Batman e o Robin do título você precisa que ler para descobrir;

– Duna:

Um homem vai todos os dias para uma ilha com uma duna que revela nome de pessoas que estão para morrer. É um conto que brinca com o psicológico e termina de uma forma enigmática, deixando uma dúvida para sempre não resolvida na cabeça;

– Garotinho malvado:

Foi um conto que não gostei tanto, pessoalmente não é muito interessante. Contudo, esse menino com chapéu com uma hélice dá muito medo, e de crianças estranhas Stephen King entende;

A Bíblia diz que o diabo foi libertado para vagar pela terra, e que a mão de Deus não o segurava. Não sei se aquele garotinho malvado era o diabo, mas sei que era um diabo.

– Uma morte:

Um conto que trabalha totalmente o poder de persuasão e a manipulação. Já li livros sobre condenados e presidiários do King e sei como ele trabalha o tema da inocência. Só que neste livro ele brinca com essa noção de verdade;

– Igreja de ossos:

Este é um poema narrativo, primeira vez que vejo um poema do King. E dá pra perceber realmente uma inspiração em Robert Browning, poeta americano que escreveu Childe Roland à Torre Negra Chegou, poema que serviu de inspiração para a obra máxima do mestre;

– Moralidade:

Um dos melhores contos desta coletânea. Um casal vive apertado sem dinheiro, a mulher então recebe uma proposta irrecusável de ganhar duzentos mil dólares para cometer um pecado por outra pessoa. É um conto que questiona a noção de que o dinheiro supera qualquer remorso, e as consequências morais dessa escolha. Conto fantástico;

– Vida após a morte:

Uma visão de vida após a morte Kingniana, ou seja, sem apelo religioso ou de definitude. É uma visão burocrática e bem sarcástica da vida após a morte, cheio de descrença e um além que não tem nada de divino;

– UR:

Melhor conto disparado do livro! É um conto sobre um professor de literatura que resiste à leitura com dispositivos ou pelo computador. Depois que ele dá um tempo com sua namorada e como para provar que é moderno, ele acaba comprando um kindle. Ele então recebe esse kindle cor de rosa que aparentemente só ele tem, que possui uma sessão chamada UR, assim que ele acessa aparece uma torre e ele começa a ter acesso a livros de autores famosos que ele não conhecia e notícias do futuro. É um conto que tem ligação direta com a Torre negra. Este conto vale o livro inteiro;

– Herman Wouk ainda está vivo:

Sabe aquelas notícias estranhas que vira e mexe vemos no noticiário e ficamos imaginando como aquilo teria acontecido? Este conto é a ficcionalização de uma notícia que o King viu no jornal, é bem interessante e ele faz com que tudo faça sentido;

– Indisposta:

Um homem narrando seu casamento em crise, e da indisposição frequente da sua mulher. Para não estragar o conto, só posso dizer que me lembrou um tal de Norman;

– Blockade Billy:

Este é um conto sobre beisebol, que leva muito pelo lado técnico, se você não conhece a dinâmica do esporte pode ficar perdido. Eu conheço por alto e o conto em si não foi interessante, mas o final foi surpreendente. O legal é que o King é um personagem dentro da história;

– Você pode atingir a pessoa, mas não pode atingir o mal – disse Wesley. A voz dele parecia estar vindo de outro lugar. – O mal sempre sobrevive. Sai voando como um pássaro enorme e pousa em outra pessoa…

– Mister Delicia:

Este personagem numa casa de repouso conversa com um dos cuidadores sobre o fato de ser gay e também sobre a AIDS, contando a história desse rapaz que ele chamava Mister Delícia;

– Tommy:

Mais um poema narrativo, desta vez sobre os anos 60 e a morte de Tommy. Não tem muito o que dizer até porque é muito curto;

– O pequeno deus verde da agonia:

O Stephen king sofreu um acidente muito sério em 1999 e com uma recuperação muito difícil. Este conto trata deste paciente em recuperação e para mim pareceu de certa forma uma tentativa do autor de tentar dar um encerramento a essa fase da sua vida;

– Aquele ônibus é do outro mundo:

Quando se anda muito de ônibus acabamos observando pessoas e o King pensou este conto como um desses encontros casuais da vida;

– Obituários:

Outro conto espetacular, desta vez é deste jornalista que na falta de emprego melhor vai trabalhar num site de fofoca de celebridade, como o Ego ou TMZ. Dentro deste site ele começa a criar obituários falsos de celebridades não lá muito legais. Só que ele acaba descobrindo que ele tem o poder de escrever sobre a morte da pessoa e ela morrer de verdade. Lembra um pouco Death Note, mas só na premissa;

– Fogos de artificio e bebedeira:

Um conto sobre essa família que vive de fogos de artifícios e faz rivalidade com outra família, e bebem muito nesse interim. Não é um dos melhores desta coletânea;

– Trovão de verão:

O conto que fecha essa coletânea é um conto pós apocalíptico sobre um homem e seu cachorro chamado Gandalf vivendo nesse mundo que foi destruído por uma bomba. É um conto muito simples e bonito, gostei muito.

A natureza humana não tem fundo. É tão profunda e misteriosa quanto a mente de Deus.

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
1107 pessoas visitaram
Publicado em 03/07/2017
Deixe seu comentário com o Facebook
Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!