Parece que a Disney está cada vez mais pensando fora da caixa com suas animações, e após acertar em cheio com títulos como Frozen e Procurando Dory, chegou o momento de mergulhar fundo na cultura polinésia… ou não.

Sua mais nova animação gira em torno de Moana, garota que dá nome ao filme, filha do chefe de uma ilha na Oceania, a próxima na linha sucessória para tornar-se uma chefe, mas Moana não se encaixa no que esperam dela. E quando sua tribo precisa de ajuda, ela se aliará ao semideus Maui para encontrar um caminho para salvar seu povo, e de quebra também encontrar a si mesma

Ainda que siga a linha do previsível, eu me apaixonei por essa animação, a trilha sonora (que em alguns momentos ficou em excesso), o encanto envolvendo o mar, os personagens deliciosos, que vieram acompanhados de uma boa dose de humor e sarcasmo, eu preciso dizer que como espectadora não só apreciei como fiquei louca com tudo, mas há o meu outro lado que esperava bem mais.

Se você não conhece a cultura polinésia, não cabe a mim explicar agora, ainda que eu conheça de forma rasa, esse pouco é ainda suficiente para dizer que a Disney errou feio nesse filme, mas como fica difícil ilustrar isso para quem desconhece o problema, vamos falar da nossa cultura. Imagine que a Disney pega Jesus e faz uma animação com ele totalmente descaracterizado do que conhecemos, um cara sarcástico e desrespeitoso, etc e tal, qual seria a reação de muitos cristãos? Assustadora, para dizer o mínimo, e foi o que ocorreu em Moana.

Maui é sarcástico, sai daquele estereótipo de entidade perfeita e sua personalidade foi uma ótima adição ao filme. ENTRETANTO, porém, conquanto, vale lembrar que o personagem não é uma criação da Disney, logo rolou uma apropriação cultural de uma figura, o que incomodou muitos. E me doeu também porque eu esperava descobrir mais da cultura polinésia e isso não ocorreu, a Disney decidiu explorar algo completamente diferente.

Mas, vamos deixar por um momento a pisada de bola de lado e focar nos acertos. Moana, nossa maravilhosa Moana! É a primeira vez que uma personagem como ela toma espaço na Disney. Ela não é só polinésia, ela também sai do estereótipo de branca com cabelo escorrido que precisa de um homem para salvá-la. E Moana é maravilhosa, é um avanço e uma mensagem para as crianças e mulheres do mundo todo.

“O Oceano me escolheu.” –Moana
“Ele escolheu errado.” –Maui

Sim, eu entendo os problemas envolvendo a apropriação cultural desse filme, e concordo, entretanto preciso também destacar que a Disney acertou sim em sua personagem principal, e eu quero assistir esse filme pela vida toda porque Moana, filha do chefe, amiga do mar, e, se ela quiser, também do lar, é a principal mensagem do longa: não é sobre comandar uma tribo, ou explorar sua cultura, não é sobre comandar, mas do poder de escolher ser.

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
18920 pessoas visitaram
Publicado em 06/12/2016
Deixe seu comentário com o Facebook
Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!