Will Will

Autor: John Green e David Levithan
Editora: Galera Record
Páginas:
352
Classificação:
3/5 estrelas

Terminei de ler Will & Will, e admito que fiquei um pouco decepcionado.

A história é meio inconsistente. Como eu estava lendo a versão em epub, eu achei que fosse algum erro de programação, e por isso alguns capítulos estavam todos em letra minúscula. Só que eu resolvi ler algumas resenhas e descobri que cada capítulo é narrado por um Will Grayson diferente. Sim, é isso mesmo.

você junta todos os meus pedacinhos, e sou muito grato por isso.

Fora que, até o encontro deles (na metade do livro), eu não fazia a mínima ideia que o livro estava sendo narrado por dois Wills e eu tive que ler tudo novamente até esse ponto para entender a história. Por que, de fato, é muuuito confuso de entender se você não souber disso (eu não sabia).

Ok, passado os desafios de compreensão do livro (depois de 200 páginas, tempo perdido e já irritado com os recursos utilizados no texto), temos uma história morna, com narrativa inferior aos livros que o John Green já fez, e com uma sinopse um pouco enganosa.

O livro gira em torno de dois garotos de mesmo nome e com o passar das páginas vamos conhecemos os dramas que eles passam em seu dia a dia. E então, meio sem querer, ou não, eles se encontram em um sex shop e a vida de ambos se entrelaçam.

O final do livro é bom, mas só isso. Na verdade, eu diria que esse é um livro ruim, muito ruim. Uma decepção para quem já leu romances anteriores do John Green.

Se você estava esperando alguma coisa emocionante a lá A Culpa das Estrelas, pode tirar o cavalinho da chuva, pois você não terá nada nada disso. A capa, a primeira vista, é bem feia, mas pessoalmente ela é prateada e é bem bonitinha, para ser sincero.

Se recomendo o livro? Talvez. Acho que vale a pena ler e ver como o livro funciona para você, quem sabe você tenha mais sucesso em aproveitar a história. Mas também vale se perguntar: se outros autores, menos conhecidos no mundo literário, tivessem assinado o livro, será que encontrariamos tantas notas altas para ele por aí?

Por Leo Ian e Gabrielle Alves

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
6511 pessoas visitaram
Publicado em 24/06/2013
Deixe seu comentário com o Facebook
Comentários
  1. Se não tem nada haver com ACEDE, já me animo porque detestei a Hazel, mas eu tenho muito medo dessa leitura.

    Beijos

  2. Dalila Souza disse:

    A minha sorte é que já tinha visto que o livro seria narrado pelos dois Wills.
    Eu gostei. Mas foi só isso. Não senti AQUELA emoção por ler John Green (e David Levithan).
    Quando fechei o livro, pensei: “É um livro sobre Tiny Cooper”.

  3. susane disse:

    Nossa, me desanimei total para ler esse livro. Depois do que disse tô com receio de perder tempo com essa leitura, mas amei a verdade em sua resenha.

    Beijo

  4. Leo disse:

    Não desanime, Susane… Os livros funcionam de formas diferentes para cada pessoa. Tente, vai que dê certo com você?

  5. Paulo V. disse:

    Oi! Entendo o seu ponto de vista, mas eu penso um pouco diferente sobre o livro e gostaria de deixar a minha opinião aqui.

    Primeiramente, devo dizer que gostei MUITO do livro e ele foi para a listinha de favoritos. Eu amo o John Green e acho que a parceria com o David Levithan trouxe um resultado muito positivo.

    Fiquei realmente surpreso quando li que você não tinha percebido que eram dois narradores até a metade. Mesmo sem ler a sinopse, dava para sacar que eram um Will diferente a cada capítulo, porque a personalidade deles é bastante diferente, e ainda tem o fato de um deles escrever tudo com minúsculas. Particularmente, achei que essa troca deu bastante certo.

    Concordo que “A Culpa é das Estrelas” desperta emoções, mas acho que “Will & Will” faz o mesmo, mesmo que de forma (muito) diferente. Mas é aquilo: livros tocam pessoas de formas diferente.

    Por fim, acredito que as pessoas devem, sim, dar uma chance pro livro. Mesmo que não achem tão bom e que mereça nota máxima, não vai ser uma perda de tempo e essa é uma ótima forma de conhecer o David Levithan. Esse foi o primeiro livro dele que eu li e me apaixonei trabalho dele, mal posso esperar para ler mais coisas dele.

    1. Gabrielle disse:

      David Levithan é maravilhoso, mas sempre acaba recebendo críticas fortes por nem sempre abordar muito bem os dramas que se propõe a discutir em seus livros. No caso de Todo Dia, a obesidade foi um assunto que não soube abordar bem.

  6. Leo disse:

    Paulo,

    Eu também gostei da história, mas como livro, ele é muito ruim. Parece um rascunho inacabado, o texto não é homogêneo. Como eu li a edição em epub, pensei que fosse um erro de leitura do programa que tenha deixado em letras minúsculas, e por isso fiquei desnorteado quando descobri que eram dois Wills. Aliás, completamente desnecessário colocar dois personagens com os nomes iguais, se eles nem ao menos ficam ‘juntos’. Depois do encontro deles no sex shop, os caminhos se separam e fica por isso mesmo.

    Por isso que o livro é enganoso, pois dá a impressão de que algo vai acontecer entre os dois.

    É como a Gabi disse… se esse livro fosse escrito por algum autor não tão poderoso como o John Green, ele ia passar batido e encalharia nas livrarias.

    E de fato, eu concordo com você quanto recomendar a leitura. Acredito que se você já souber de antemão a forma adequada de ler o livro (com atenção, muita atenção, e sabendo que são dois Wills), a leitura possa fluir melhor.

  7. Karen Alvares disse:

    Como assim você não identificou que eram duas pessoas diferentes narrando? Isso é super claro. Eles narram MUITO diferente (e nem é só o fato das letras minúsculas, mas sim, elas tem explicação, o will se sente inferior e pequeno, por isso ele narra assim). Na verdade dá até para perceber qual narração foi escrita pelo John e qual foi escrita pelo David.
    O final é sim emocionante, desculpe, mas preciso discordar novamente. Aliás, toda a história passa uma mensagem muito legal sobre amor, amizade e amadurecimento, sobre entender a si mesmo, sobre se conhecer. O livro é brilhante, na minha opinião; e não se deve ler um livro de um autor esperando que ele seja como outro livro dele. Cada livro é como um filho, como dois irmãos: tem suas semelhanças, mas tem também sua personalidade própria.

  8. Chega ser engraçado,essa sua confusão com a leitura do livro. Mais acho que realmente tem livros que nos deixam perdidos e desorientados. Que bom que você se encontrou depois e soube que haviam dois Wills. Beijos.

  9. Gabriella Alvim disse:

    Acho que essa é a primeira resenha que leio que não elogiou o livro. Muitas pessoas dizem que é maravilhoso, mas isso varia de pessoa pra pessoa. Ainda estou curiosa e pretendo ler.

    Achei engraçado sua confusão, porém deve ter sido horrível ficar “boiando” na história. Deveria ter uma explicação na sinopse ou algo assim.

  10. Nattacha disse:

    Essa foi a primeira resenha que li sobre o livro e era negativa. Eu na verdade fiquei bem chocada ao ver que você não sabia que cada capitulo era narrado por um Will diferente, e inclusive escrito por um autor diferente :O porque não ficou evidente a diferente linha de pensamentos ou sei lá? Bem, acho que agora depois da sua resenha fiquei com um pé atrás com o livro, mas mesmo assim vou ter que ler para tirar minhas próprias conclusões.
    é uma pena mesmo que esse trabalho de dois autores tão bem comentados por ai não tenham feito um livro tão bom assim =/
    :*

  11. Eu discordo bastante da resenha, é praticamente impossivel se confundir na narrativa dos dois personagens, porque primeiramente já sabemos que são dois wills e dois autores, segundo é que ambos os wills apresentam personalidades TOTALMENTE diferentes um do outro, circulo de amizades diferente e pais diferentes. Acho que se não percebeu isso, algum problema deve estar acontecendo, mas cada um tem uma opinião né?

  12. João Victor disse:

    Bom saber que eu não fui o único a pensar que só um Will estava narrando e teve que ler tudo de novo pra entender, rs. Mas eu discordo da sua resenha, também achei o livro bem chato no começo mas na medida em que eu conhecia os personagens ele ficava cada vez melhor. Algumas pessoas não vão gostar simplismente porque esperavam algo como “a culpa é das estrelas”. Mas “Will & Will” é uma coisa completamente diferente e nova. Realmente acho que poucos vão amar esse livro, assim como poucos amam Neutral Milk Hotel ou LCD Soundsystem, e eu sou um dos poucos.

  13. Nathy Silva disse:

    Bem, eu realmente fiquei chocada ao descobrir que você não entender logo de cara que são dois Will diferentes. Eu achei bem legal e original a ideia das letras minúsculas e do formato totalmente informal, como que para mostrar que o Will não se sentia na necessidade de escrever da forma correta. E acho que ninguém deve ler um livro de um autor esperando que seja igual a um outro livro dele, pois se for para ele ( o autor ) ficar fazendo livros iguais ele deve fazer uma continuação do mesmo. Mas bem, é apenas a minha opinião, como você mesmo deu a sua. 😉

Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!