Autora: Valérie Zenatti
Editora: Seguinte
Páginas: 128
Classificação: 4/5 estrelas

Inicialmente, eu acreditava que Uma Garrafa no Mar de Gaza seria um livro sobre uma garota israelense que escreve uma carta aos palestinos em revolta após sua cidade entrar  em um atentado de bomba. Quando sua carta é colocada em uma garrafa e inesperadamente chega nas mãos de um palestino, que fica revoltado com seu conteúdo, começa uma correspondencia entre duas pessoas  que tentam defender suas crenças. Bem, ledo engano, se o livro trata de alguma revolta, é pela guerra em si, revolta por todo o sangue que ela já gerou e continua gerando, revolta pelo mundo ver palestinos e israelenses, muçulmanos e judeus, onde na verdade também há homens, magros, gordos, altos e baixos, que querem um pouco de felicidade e menos medo em suas vidas.

Estes são dias de trevas, de tristeza e de horror. O medo voltou.

O livro inicia com Tal escrevendo suas memórias desde o dia em que houve um atentado próximo a sua casa, e após um tempo tem a ideia de colocar as folhas em uma garrafa e jogar no Mar de Gaza. Ela quer entender um palestino, formar uma ligação com alguém do outro lado e mostrar que é possível, apesar de todas as crenças contrárias, a paz entre muçulmanos e judeus.

Quem encontra a carta é um garoto que auto se intitula Gazaman, e diferente do que Tal esperava, ele não está contente com suas palavras, pelo contrário, ele está com raiva. Mas atrás de seu humor ácido há um homem que está cansado, da guerra, de homens bomba, do medo, e esses dois estranhos, tão diferentes, iniciam uma improvável, e proibida, amizade.

Eu não sei vocês, mas quando leio um livro eu tento viver o personagem, ficar com raiva, vibrar, e amar junto com ele, e eu gostar ou não de um livro depende de quão forte foi minha sintonia com o mesmo. No caso de Uma Garrafa no Mar de Gaza, apesar de eu nunca ter chegado perto de viver o que Tal e Niam viveram, eu sofri junto com eles. Então, sim, eu respirei esse livro. Foram poucas páginas que resumiram um mundo de sentimentos, e eu acabei pegando carinho por cada personagem.

Ouri disse que eu era mesmo uma garota. Que os filmes que acabam bem são bons para as crianças do primário, para as vovozinhas caquéticas e para os ingênuos incuráveis. Respondi que as histórias, na vida, quase sempre acabam mal, sobretudo em nossa região, e que o cinema precisava nos dar a possibilidade de ter um pouco de esperança, e até mais que isso, de acreditar que os finais felizes são possíveis.

Valérie Zenatti serviu ao exército israelense, e viveu na alma essa guerra de ódio, mas apesar de toda sua experiência, a mensagem que ela passou no livro foi de esperança pelo fim de mais esse holocausto sem sentido do outro lado do mundo, deixando de lado o ponto de quem sofre mais ou quem atirou primeiro, direcionando o leitor para aquilo que realmente importa: quem dará o primeiro passo pela paz? E quem seguirá logo atrás?

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
7704 pessoas visitaram
Publicado em 07/12/2012
Deixe seu comentário com o Facebook
Comentários
  1. Théo disse:

    Um livro com muitos temas a tratar…

  2. Manu Hitz disse:

    Gosto mesmo de livros que retratem situações históricas, pela verdade que carregam, mesmo em meio à ficção da obra. É bom que conheçamos outras culturas e descobrir o quanto podem ser violentas – como nas guerras -, mas também libertadoras. Pena que muitos caminhos sejam trilhados com tanto sofrimento, crueldade e intolerância.
    A guerra religiosa, pra mim, é a mais absurda manifestação do desamor.

  3. Juliana disse:

    Um assunto antigo mas ainda assim muito contemporâneo e com certeza muito emocionante.

  4. Tamires disse:

    Achei muito interessante a sua resenha isso me desperto uma voltade de ler esse livro.

  5. Paula Camargo disse:

    Fico com o pé meio atrás quando leio resenhas de livros com poucas páginas,tenho receio de que o autor não saiba desenvolver e finalizar a estória em poucas páginas.Mas pela resenha acho que voce gostou desse livro,e acho que eu gostaria tb!

    http://llivroseletras.blogspot.com.br

  6. PATRICIA MARTINS DE CASTRO disse:

    Não gosto muito de livros que abordam a guerra, mas gostei da forma que você falou sobre o livro ,, acredito ser um bom livro, com muitas lições de vida.

  7. paulo disse:

    Interessante!! Vou dar uma olhada

  8. Já ouvi falar sobre este livro, parece ser muito interessante ! Lerei em breve !

  9. Dryelly K. disse:

    Que lindo. Preciso ler esse livro!
    Adoro livros que além da história, abordam fatos reais. Nunca li nada parecido, mas já estou marcando o livro em minha lista. Quero muito conhecer!

    Beijo!

  10. Natália V. disse:

    Quero lê esse livro antes de vê o filme (que eu achei super interessante pelo trailer).

  11. Aysla disse:

    Parece o estilo de livro que Nicholas Sparks escreveria, então já me interessei logo de cara ^^

  12. Thaís Costa disse:

    É dificil eu me interessar por um livro quando a capa não me agrada… pela resenha também vi que não é muito meu tipo de livro,mas é interessante.

  13. Nardonio disse:

    Esse é o grande problemas das guerras, os inocentes que sofrem com tudo isso. Bombas não tem endereço fixo, nem são guiadas com precisão. Mais um livro com temática forte. Talvez um dia o lerei.

    @_Dom_Dom

  14. Luiza disse:

    Parece ser uma proposta bem diferente. Gostei da resenha, lerei antes de tirar alguma conclusão. Bjs

  15. Glaucia Matos disse:

    O livro em si, se parece com alguns que já li. Parece um bom enredo, mas somente lendo para tirar qualquer conclusão.

    http://www.leitorait.com

  16. Muito interessante,gostei da resenha 🙂

  17. thadia disse:

    parece ser bom. quero ler!

  18. O livro parece ser bom, mas não me chamou muito atenção. A capa não é tudo isso, mas tem um charme! Adorei a sua resenha.

    Beijos
    Bia – Blog Escrevendo Mundos
    @escrevendomundo

  19. mari disse:

    sua resenha despertou minha curiosidade gosto desse tipo de livro, enfim pretendo ler.

  20. Luana disse:

    Achei muito interessante a sua resenha, mas achei esse livro meio estilo nicholas sparks mas me interessou,pois gosto do genero.

  21. Jessica disse:

    Estou louquissima por esse livro, mal posso esperar pra acabar com essa ansiedade!

  22. Danilo Borges disse:

    Parece que este livro tem boas histórias, com ótimas lições de vida, acho que possa valer a pena comprar!

  23. Isaias Junior disse:

    Achei incrivel a ideia da autora, tem uma certa ousadia mechendo com esse tema. Curti muito pela resenha, acho que deve ser um livro bem amarrado, já que tem poucas páginas. Vou colocar na lista de livros que eu quero ler.

  24. Rodolfo Euflauzino disse:

    Quando temos empatia com personagens tudo se torna prazeroso, mas nem sempre é assim, daí o enredo precisa ter laços firmes. No meu caso o que chamou a atenção foi aprender um pouco mais sobre o sofrimento de culturas tão díspares quanto a minha.

  25. Fernanda disse:

    Parece ser muito bom.

  26. Amanda disse:

    Gostei bastante da resenha, parece ser ótimo <3

  27. Samira Chasez disse:

    Oi..

    Ainda não conhecia esse livro, mas depois da sua MARAVILHOSA resenha passei a desejar ele..

  28. Ando muito interessada nesse assunto ultimamente. Sou muito fraca para essas histórias. Para terem uma noção, só o começo da resenha já me fez ficar com os olhos cheios de lágrimas, haha.

  29. Mayara Milesi disse:

    Nao conhecia o livro, mas tambem o tema abordado nao me interessou muito, nao gosto nada muito assim historico sabe???? Mas sua resenha estava show

  30. Gleyciana Cidade disse:

    Nossa!!! Sua resenha está ótima e o tema, me atrai bastante. Preciso ler esse livro logo! Adorei!

  31. Nayane Borges disse:

    O bom foi que a autora não apoiou nem criticou nem um dos lados, mas sim retratou dos sonhos deles, como nós temos também, bem bacana isso…

  32. Lara Bertrand disse:

    Não tinha interesse algum nesse livro até ler a resenha, parece ser bem interessante.

  33. Rosângela disse:

    É, realmente não é um tema muito fácil de se tratar…Ainda mais para alguém que fez parte disso como a autora. Então é bom ver que não houve preconceitos e que raiva deu lugar a esperança.
    Pela resenha, dá pra sentir que é um livro intenso, daqueles com o qual vc se sente ligada. Acho que pode ser uma leitura interessante 🙂

Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!