A editora Suma de Letras publicará novas edições de vários livros de Stephen King, entre eles Salem, conhecido anteriormente por A Hora do Vampiro, lançado originalmente em 1975, inspirado em Drácula de Bram Stoker; O Iluminado, obra imortalizada no cinema pelo diretor Stanley Kubrick; A Maldição, anteriormente A Maldição do Cigano,  sob o pseudônimo Richard Bachman, entre outros.

Confira as novas capas:

Depois da morte do policial Curtis Wilcox, Ned, seu filho de 18 anos, começa a visitar a delegacia onde o pai trabalhava. O sargento Sandy Dearborn, melhor amigo de Curtis no esquadrão, percebe a curiosidade do rapaz e decide compartilhar com ele uma estranha história, mantida em segredo há anos pela polícia da Pensilvânia. Antes de Ned nascer, o policial Ennis Rafferty e Wilcox atendem a uma chamada de um posto de gasolina e voltam para a delegacia com um Buick abandonado. O pai de Ned conhecia carros antigos e, desde o início, notou que havia algo de muito errado com aquele. Poucas horas depois, Ennis desaparece sem deixar rastros. As investigações sobre o Buick, lideradas por Curtis, revelam detalhes cada vez mais estranhos: ele se recuperava sozinho de qualquer avaria, era invulnerável à sujeira e a arranhões de toda espécie e seu motor não funcionava. No entanto, os policiais não conseguem decifrar o mistério. Agora, mais de 20 anos depois, Ned descobre o Buick e, intrigado com o possível envolvimento do carro na morte de seu pai, começa a investigar o mistério desafiador, sobrenatural e mortífero.

O ”Apanhador de sonhos” une, numa mesma história, terror, amizade e ficção científica. O cenário é a pacata cidade de Derry, no Maine, estado onde mora Stephen King e eleito pelo escritor para ilustrar grande parte de suas mais famosas tramas. E é lá que quatro garotos presenciam uma cena chocante – Duddits, um menino portador de síndrome de Down, é torturado por uma gangue de adolescentes. Num ato de coragem os quatro conseguem salvar a vida do indefeso menino. O que os amigos não ficam sabendo é que Duddits é um menino especial, com poderes para penetrar na mente de outras pessoas e compartilhar pensamentos e lembranças. Uma espécie de apanhador de sonhos. Em pouco mais de duas décadas, esse encontro será fundamental para salvar a vida de toda uma cidade.

Insônia, um dos maiores sucessos do mestre do terror Stephen King, em nova edição. Ralph Roberts é um viúvo aposentado que, subitamente, começa a sofrer de insônia. Primeiro, ele começa a acordar mais cedo. E mais cedo. Conforme o quadro piora, ele começa a ver coisas invisíveis aos olhos dos outros —auras coloridas e seres que, por sua aparência, chama de “doutorzinhos carecas”. Através dessas visões, percebe outros planos de realidade e sua influência sobre o mundo “real”. Logo, Roberts descobre que há um motivo aterrorizante para sua insônia e seus poderes: ele foi um dos escolhidos para lutar contra a destruição do mundo. Em uma trama que se entrelaça com a da série A Torre Negra, ele deve enfrentar o Rei Rubro para impedir que uma misteriosa profecia seja extinta. Insônia é um romance eletrizante sobre os planos desconhecidos da existência humana, no qual Stephen King leva o leitor a uma viagem por mundos surpreendentes.

As obras de Stephen King sempre foram fontes inesgotáveis dos cineastas de filmes de terror, comoo canadense David Cronenberg, que levou às telas A Zona Morta em 1994, baseado na obra homônima do escritor americano. Assim também ocorreu com outras histórias do mestre do terror. “As Crianças do Milharal”, por exemplo, conto presente em Sombras da Noite, deu origem ao clássico filme de horror que marcou uma geração: Colheita Maldita, de 1984, dirigido por Fritz Kiersch.

Os cenários descritos por Stephen King são familiares e acima de qualquer suspeita — um colégio, uma fábrica, uma lanchonete rodoviária, uma lavanderia, um milharal. Mas no mundo do autor, qualquer lugar pode servir como território sobrenatural. Só é necessária uma hora propícia da noite e a distração das vítimas.

Conhecido por sua habilidade em despertar a adrenalina de modo intenso das primeiras às últimas páginas de seus livros, Stephen King maximiza sua capacidade em prender a atenção dialogando com o próprio leitor e adotando uma postura bastante provocativa, como se vê no trecho introdutório de Sombras da Noite:

“Vamos conversar, você e eu. Vamos conversar sobre o medo. A casa está vazia quando escrevo isto; uma fria chuva de fevereiro cai lá fora. É noite. Às vezes, quando o vento sopra do jeito que está soprando agora, falta luz. Mas por enquanto não está faltando, então vamos conversar muito honestamente sobre o medo. Vamos conversar muito racionalmente sobre chegar às raias da loucura… e talvez cruzar a fronteira. Meu nome é Stephen King.”

Além de “As Crianças do Milharal”, outros quatro contos de King presentes no livro foram adaptados para o cinema: “O Homem do Cortador de Grama” (O Passageiro doFuturo), “A Máquina de Passar Roupa” (Mangler: O Grito de Terror), “Último turno” (A Criatura do Cemitério) e “Às Vezes Eles Voltam” (filme homônimo). Desta forma King inicia esta viagem por vinte contos clássicos que, mais uma vez, reafirmam este americano como o mais prolífico e talentoso autor do gênero no mundo.

Em “Tripulação de Esqueletos”, Stephen King nos guia por histórias em que o horror revela suas várias faces e nos recomenda, com suas próprias palavras: “Agarre meu braço agora. Agarre com força. Iremos a vários lugares escuros, mas acho que conheço o caminho. É só não largar meu braço”. Nesta aterrorizante coletânea de contos, Stephen King nos mostra mais uma vez por que é um dos mais aclamados escritores da atualidade. Um contador de histórias por excelência, aqui ele revela o amplo leque de suas habilidades, transitando com desenvoltura pelo pavor causado por criaturas abomináveis e por um terror psicológico de gelar o sangue. Em “O nevoeiro”, seu conto mais longo, uma misteriosa e espessa neblina se aproxima de uma cidadezinha do Maine, trazendo perigos que desafiam a razão humana. Pai e filho precisam enfrentar seus mais sombrios medos na esperança de que esse tormento tenha fim. No entanto, na insana luta por sobrevivência, os personagens perceberão que ficar na rua em meio às estranhas criaturas pode ser tão perigoso quanto ficar em um cômodo fechado com pessoas desconhecidas. Na prosa de Stephen King, os protagonistas se veem forçados a lidar com situações fantásticas em que o que está em jogo é a sanidade diante do inimaginável. Onde termina o pesadelo e começa a realidade? Até que ponto a mente humana pode suportar o terror? Embarque nesta jornada com Stephen King e descubra.

Um conto de fadas escrito pelo mestre do terror? Pode parecer estranho, mas o “Os Olhos do Dragão” é um livro de características bem diferentes das demais obras de Stephen King. Segundo o escritor, esse romance surgiu do desejo de criar algo especial para a sua pequena filha, Naomi. Surgiu, então, a idéia de uma fábula. O resultado é uma história sobre o amor fraternal na qual o autor se dirige ao leitor como se estivesse contando uma lenda em voz alta.

Louis Creed, um jovem médico de Chicago, acredita que encontrou seu lugar naquela pequena cidade do Maine. A boa casa, o trabalho na universidade, a felicidade da esposa e dos filhos lhe trazem a certeza de que fez a melhor escolha. Num dos primeiros passeios familiares para explorar a região, conhecem um “simitério” no bosque próximo a sua casa. Ali, gerações e gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. Para além dos pequenos túmulos, onde letras infantis registram seu primeiro contato com a morte, há, no entanto, um outro cemitério. Uma terra maligna que atrai pessoas com promessas sedutoras e onde forças estranhas são capazes de tornar real o que sempre pareceu impossível.

Prepare-se… o mestre do horror irá guiá-lo por uma jornada pelas mais variadas formas do medo. Em Dança macabra, obra de referência sobre o gênero que o consagrou mundialmente, Stephen King irá revelar o fascínio causado pelo terror no cinema e na literatura, sem deixar de fora os quadrinhos, a televisão e o rádio. Qual foi o primeiro filme de terror a que você assistiu? Você se lembra daquele filme que o deixou com os olhos arregalados, no escuro do seu quarto, sem conseguir dormir? Que livros fizeram você sentir um frio na espinha e pular de susto ao menor ruído? Em Dança macabra, Stephen King revela como o fenômeno do horror foi explorado pelo cinema, pela literatura, pela tevê e pelas demais mídias ao longo de diferentes épocas. Da literatura gótica de Mary Shelley até o horror explícito de H. P. Lovecraft. Do terror psicológico de O bebê de Rosemary até o banho de sangue de O massacre da serra elétrica. Mas este livro vai além. Também é um emocionado tributo a todos aqueles que um dia se dedicaram à arte de apavorar plateias e leitores. Um presente aos fãs desta que é uma das mais malditas formas de entretenimento. Seja especulando sobre as origens dos medos de infância, racionalizando a sedução do grotesco ou refletindo sobre as adaptações de suas próprias obras para o cinema, esta é a última palavra em horror do autor que reinventou o gênero.

Uma trama de mistério e terror, ambientada nos anos 30, em plena Depressão americana, num cenário de desespero e sufoco: a Penitenciária de Cold Mountain. Stephen King foi buscar no lado mais sombrio de sua imaginação a história assombrosa de John Coffey, condenado à morte, e seu encontro fatal com o carcereiro Paul Edgecombe. Nas telas, o diretor Frank Darabont recria a história magistral de King, com Tom Hanks interpretando o guarda Edgecombe.

Ambientado na cidadezinha de Jerusalem`s Lot, na Nova Inglaterra, o romance conta a história de três forasteiros. Ben Mears, um escritor que viveu alguns anos na cidade quando criança e está disposto a acertar contas com o próprio passado; Mark Petrie, um menino obcecado por monstros e filmes de terror; e o Senhor Barlow, uma figura misteriosa que decide abrir uma loja na cidade.

Após a chegada desses forasteiros, fatos inexplicáveis vêm perturbar a rotina provinciana de Jerusalem`s Lot: uma criança é encontrada morta; habitantes começam a desaparecer sem deixar vestígios ou sucumbem a uma estranha doença. A morte passa a envolver a pequena cidade com seu toque maléfico e Ben e Mark são obrigados a escolher o único caminho que resta aos sobreviventes da praga: fugir.

Mas isso não será tão simples, os destinos de Ben, Mark, Barlow e Jerusalem`s Lot estão agora para sempre interligados. E é chegada a hora do inevitável acerto de contas.

Danny Torrance não é um menino comum. Danny é capaz de ouvir pensamentos. Ele pode transportar-se no tempo e olhar o passado e o futuro. Danny é um iluminado. Maldição ou benção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook.
Quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador do velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se de vez das convulsões que assustam a família. Só que Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu de enterrar velhos ódios, cicatrizar antigas feridas. O Overlook é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. O Overlook é uma sentença de morte e quer Danny, e precisa dos poderes de Danny para chegar ao fim.
A luta assustadora entre dois mundos. Um menino e a ânsia assassina de poderosas forças malígnas. Uma família refém do mal. Nesta guerra sem testemunhas, vencerá o mais forte.

Um advogado gordo mata por atropelamento uma senhora que casualmente é filha do patriarca de um clã de ciganos. A vingança do velho se resume em uma maldição: Billy Halleck emagrecerá a cada dia, por mais que coma, até se transformar em nada mais que um feixe de ossos.

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
2402 pessoas visitaram
Publicado em 11/07/2013
Deixe seu comentário com o Facebook
Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!