O leitor de almas, de Paul Harper

Na aparentemente tranquila comunidade de Pacific Heights, Lore Cha e Elise Currin – esposas de dois poderosos e influentes empresários de San Francisco – estão tendo casos extraconjugais com o mesmo homem, o atraente Ryan Kroll.

As regras dos encontros são sempre as mesmas: nomes verdadeiros e detalhes pessoais ficam fora do quarto. Mas, quando a psicanalista de Lore e Elise percebe que Kroll está invadindo seus arquivos e usando informações confidenciais, medos e fantasias das mulheres para manipulá-las, ela se dá conta de que o caso não é apenas uma grande coincidência, mas envolve um perigo fatal.

A tarefa de capturar Kroll antes que seja tarde demais cabe a Marten Fane, um detetive conhecido pelo raciocínio perspicaz e pela absoluta discrição. Fane e sua equipe terão de agir rápido para frustrar os jogos psicológicos de Kroll e evitar que ele cometa o crime perfeito.

A cada página virada, O leitor de almas tira uma dose de fôlego do leitor. Prepare-se para ser jogado de cabeça num mundo de viravoltas, decepções e falsas revelações.

Serena, de Ian McEwan 

Desde o sucesso do romance Reparação, a expectativa gerada por um lançamento de Ian McEwan é sempre imensa. Serena pode ser o livro que mais corresponde a essa expectativa, não só por se tratar mais uma vez de uma personagem feminina que revê um momento histórico relevante (aqui, o começo da década de 70), mas, sobretudo, por permitir que o leitor reviva a discussão sobre os limites da literatura como reelaboração da realidade.

Ao ser contratada pelo MI5, o Serviço Secreto Britânico, a protagonista Serena se vê como participante de uma mentira cujo objetivo é fomentar a criação de uma ficção. Isso porque ela é incumbida de estabelecer contato com um escritor a quem não pode contar que é uma espiã, nem que o dinheiro que ele passará a receber virá do Estado. Mas o contexto de toda essa armação é uma guerra muito real, num período bastante violento da história da Inglaterra, especialmente por causa da atividade do IRA.

 E, para Serena, o caso envolve ainda sua vida pessoal, tanto no que se refere a seu antigo amante, que a introduziu no MI5, quanto no que se refere ao escritor que é vítima do ardil, por quem acaba se apaixonando. Ela é, portanto, agente e vítima, personagem e criadora, num romance em que todos esses papéis são questionados com fervor.

Exclusiva, de Annalena McAfee

Janeiro de 1997.
A popularização da internet anuncia uma crise no jornalismo escrito, crise esta que passa – em graus variados de negação – despercebida pelas grandes redações. Mesmo a jovem Tamara Sim, responsável por uma coluna sobre celebridades no jornal The Monitor, parece descrente do futuro digital de sua profissão.

O que ela quer é migrar da página de fofocas para o prestigioso suplemento literário que o The Monitor publica aos domingos. A chance vem na forma de um perfil da septuagenária Honor Tait, lendária correspondente de guerra e uma das decanas do jornalismo inglês.

O encontro entre as duas não podia ser mais desastroso. Em meio a um clima hostil e de desconfiança, Tamara investigará a fundo o passado de Honor Tait, enquanto a correspondente constata o declínio de seu prestígio e poder. Quanto mais Tamara tenta desvendar os segredos de Tait, mais ela se retrai em sucessivas cortinas de fumaça. Mas, afinal, o que ela estaria escondendo?

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
1092 pessoas visitaram
Publicado em 15/06/2012
Deixe seu comentário com o Facebook
Comentários
  1. Dani disse:

    Hum, nenhum destes me deu vontade de ler… =(

Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!