Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 512
Classificação: 4/5 estrelas

Antes de mais nada, se você não leu Divergente, não leia essa resenha, contêm spoilers.

Em Divergente, Veronica Roth   nos  surpreendeu  com uma distopia com tudo que tem direito: romance, guerra, crueldade. No segundo volume de sua trilogia, a dose é em dobro e buracos deixados no primeiro volume são preenchidos.

Como um animal selvagem, a verdade é poderosa demais para permanecer enjaulada.

Após todos as escolhas feitas por Tris, elas finalmente vêm cobrar seu preço e trazer sequelas. Mas a guerra acabou de começar e não há tempo para Tris lamber suas feridas. Junto a Tobias, seus amigos e o que restou de sua família, seu irmão Caleb, ela deve se aliar a pessoas e facções que possam ajuda=la e o que sobrou dos Abnegados e Corajosos. Mas em meio a guerra e ao desespero, velhas inimizades podem ser sua única chance de salvação quando a pessoa que mais ama a traí.

As pessoas, descobri, possuem camadas e camadas de segredos. Você acredita que os conhece, que você os compreende, mas seus motivos estão sempre escondidos de você, enterrados em seus próprios corações. Você nunca vai conhecê-los, mas às vezes você decide confiar neles.

 Roth nos apresentou uma sequência muito mais frenética, para não dizer assustadora. Sua saga é uma das poucas que já li em que eu realmente posso nomear de distópica, onde apesar de haver romance, ele é um pano de fundo e apoio para a guerra, a desesperança e a crueldade. Se o primeiro volume foi uma introdução a trama, no segundo ela é finalmente expandida, preenchendo o buraco sobre como está o mundo além da Cerca. A autora incita que os Divergentes talvez não sejam minoria e que  são, muito provavelmente, a resposta para acabar com as facções. Se em Divergent, Tris encontrou sua coragem, em Insurgent é o momento de ela mostrar sua abnegação, sem esquecer um detalhe: ela não pode, e não vai, ser controlada.

Às vezes, sinto que estou coletando as lições que cada facção tem para me ensinar, e armazenando-as em minha mente como um guia para me mover no mundo. Há sempre algo a aprender, sempre algo importante para entender.

Em suma, Insurgente é um livro ótimo, te prende, mas não é uma leitura gostosa, está mais para triste. Apesar de ser uma ficção criada por Roth, a mensagem é verdadeira: o desespero muda você, a guerra muda a todos. Mas se alegrem pois muitas respostas são dadas enquanto novas perguntas e revelações são feitas. Vale lembrar: se você espera um conto de fadas, não leia esse livro.

Cadastre-se e receba novidades e ofertas
5425 pessoas visitaram
Publicado em 05/05/2015
Deixe seu comentário com o Facebook
Comentários
  1. Gabriela disse:

    Amei a resenha gemea! Depois de você ter falado tão bem de Divergent, eu estou morrendo de vontade de lê-lo. *-*

  2. Oi Gabi
    estou louca para ler Divergent, pois li o primeiro capítulo no amazon e morri querendo mais.
    Mas acho que vou esperar a rocco lançar por aqui (Deus queira que não custe uns 60 reias rs)
    bjos

  3. A Pessoa disse:

    Eu li Divergente, e realmente é muito bom, um livro que prende a atenção, já li o primeiro livro de os legados de lorien e digo com toda a certeza que prefiro Divergente, Veronica Roth é uma altora nova mas com grande potencial, realmente, se vc espera um conto de fadas não leia esse livro, quando há um final muito triste ou impactante eu não gosto de ler, me provoca sensações ruins e coisas que não vou dizer mas o problema de Divergente é que ele faz vc querer saber o final, os últimos capítulos foram dolorosos de ler, não porque seja ruim, muito pelo contrário… Mas pq acontecia muita coisa ruim ao mesmo tempo e também pq há perdas realmente dolorosas, na minha sala, há uma trupe da leitura e só eu e outra pessoa leu Divergente, nós estamos muito animadas e ele está especialmente animada para ler o reencontro de Tris e Cristina, afinal de contas a Triz teve que matar o Will ( é assim ou é Wiil)e ( opa… spoiler) estou proicurando a um tempo o primeiro capítulo de Insurgente e não acho… E outra coisa, dá pra ver que a Amizade terá um papel super importante nesse livro ( é só olhar a capa Dããããã) E eu vi que estão fazendo o filme de Divergente… Já falei de mais então só tenho uma palavra… RECOMENDO

    1. Gabrielle disse:

      Você vai amar a sequência, é ainda melhor!

  4. isabel disse:

    Eu li divergente mal posso esperar pra ler insurgente,a historia e fassinamte chei de misterio,perigo,aventura e uma pitada de romance!
    quando sair o nome do teriro e infilizmente ultimo livro da trilogia POR FAVOR ME AVISE!
    E pra quem ñ leu divergente sugiro que leia vc ñ vai se arrepender.

  5. isabel disse:

    Eu li divergente e adorei,achei a hisrtoria muito fassinamte.
    ela tem misterio,perigo,aventura e uma pitada de romance,to louca pra ler insurgente,pra quen ñ leu ainda divergente eu recomendo ñ ira se arrepender.
    quando sair o ultimo livro da trilogia(POR FAVOR!) me avise!

  6. Aline de Fátima disse:

    Baiixei os tres para eu ler so falta ler o convergente…
    Divergente e insurgente são demaiiisssaa,amei…
    Agoa ver o filme para ler o que vai acontecer em convergente!!!
    Quem não leu ainda ,leia pq vai amar..

  7. Isabela Carvalho disse:

    Já li os três e é realmente um livro meio triste. Mas o que mais gosto é que os livros me ganharam, e essa se tornou uma das minhas séries favoritas, sem o romance precisar ser o foco principal. Adorei a resenha 😉

  8. Evelyn Souza disse:

    Olá! Insurgente é eletrizante, triste e romântico ao mesmo tempo. Mas não supera Divergente. Nem mesmo Convergente o faz. Mesmo a Tris sendo impulsiva e tais em momentos de tiro, porrada e bomba, o que é compreensível, essa é uma de suas melhores características. E vale ressaltar que a tia Veronica resolveu tornar-se a versão feminina de George Martin, né!?
    Bjs

    http://garotablockbuster.com

Deixe um comentário

EDITORAS & PARCEIROS

Copyright © 2016 Livros&Citações. Todos os direitos reservados
Notícias, resenhas e indicações de livros!